Quem sou eu

Minha foto
Vou mostrando como sou, e vou sendo como posso, jogando meu corpo no mundo ...

12 de março de 2021

Autoamor

Costuro com fios de ouro
as vísceras de uma paixão
agora a chuva canta na janela
e acalma os exaltados tremores
da falta, de conexão.
 
Os ancestrais reverberaram
que meu ego, não é competidor
e ganhei de presente
a paz que foi embora
mas que criou asas, e voltou.
 
com as mãos suspensas
entrego o jogo.
O elixir para toda dor
são gotas sagradas de tempo
porque a todo momento
brota o autoamor.

Daniel André.

11 comentários:

  1. Querido poeta Daniel, que lindo seus versos, ah, o amor, sempte inspirador, mas a paixão,que significa dor, essa nos tira a paz!
    Mas ainda bem que o tempo faz a paz criar asas, com sua volta, o autoamor!
    Parabéns pela bela inspiração! Sensitivo pisciano!
    Sou pisciana também!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
  2. Inspirado hein gaguinho.
    Bjinho. Te amo, saudades amigo.
    Mara.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde! Um poema brilhante!! :))
    -
    Não é fácil, viver em constante desânimo...
    -
    Beijo, e um excelente fim de semana:)

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Daniel, parabéns pela inspiração meu amigo poeta.

    ResponderExcluir
  5. Gostei do poema.
    Abraço, saúde e bom domingo

    ResponderExcluir
  6. Boa noite, Daniel!
    A última estrofe está linda demais e realíssima.
    Parabéns!
    Seja muito feliz e abençoado!
    Bom final de semana!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  7. A chuva tem sempre algo de apaziguador!
    Gostei imenso do poema... deveras inspirador!
    Um grande abraço!
    Ana

    ResponderExcluir
  8. Maravilhoso como tudo o que você escreve!
    Um gigantesco abraço.
    Tuya

    ResponderExcluir

Agradeço a sua visita e comentário. Abraços, Dan.