29 de setembro de 2013

Perfeita dor


Rego,
Minhas chagas com as lágrimas,
Derramadas por te venerar demais,
Desrespeito à afoiteza de seguir o rio.

Retiro,
Lentamente do meu peito,
Um a um, os pregos adoravelmente,
Bem cravados por tu, que me acarinha.

Deixa-me,
Acalentado na suspicácia,
Mas prefiro condoer meus dias,
A viver sem tua presença.

Entendo-te,
Meu amor mal amado,
Sentes entusiasmo em me torturar
Apenas sei que sofrer, é te amar.

Apoderou-se,
De todo meu espírito,
Essa perfeita dor que me adormece,
Senhora ingrata do meu coração.

Dolorosa,
É forma de sentir sua vida,
Mas determinaste desse jeito
Quando realmente, eu posso te amar.

Daniel André