5 de setembro de 2013

Colo de mãe





De repente,
O mundo é ingrato!
Ficamos sem saída, perdidos.
Arranhões,
Transformam-se em feridas.
Vazias, profundas.

Surge à carência,
Um abraço apertado,
Uma sábia palavra
Que nos conforte,
Que seja acolhedora
E que devolva, a firmeza de uma rocha.

Nossas carnes são frágeis
Até Jesus Cristo,
Recorreu ao colo divino
Braços maternos, terras de paz
Que renovam as energias da alma
E devolve ao mundo,
Um ser cristalino.

Às vezes, o que precisamos na vida,
É de um colo de mãe,
Um ninho para aconchegar
Um puro manto de proteção,  
Um amor incondicional
Que não te cobra,
Que apenas consola.

Daniel André.



25 comentários:

  1. Olá Daniel,como é bom adormecermos
    nesse colo de mãe.
    Principalmente nessa mãezinha amada que é
    Maria a mãe de Jesus.


    bjs amigo
    Carmen Lúcia-mamymilu.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Carmen, é um prazer tê-la como amiga e visitante! Fique na paz!

      Dan

      Excluir
  2. Boa tarde
    Que bonito e verdadeiro poema. Adorei

    Um Abraço
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Cidália. Gosto muito de visitar seu espaço e encontrar palavras tão bonitas.

      Att,

      Dan.

      Excluir
  3. Verdade, a presença desse "porto de abrigo" pode fazer toda a diferença em vários momentos da nossa vida. Bom trabalho ;)

    Um forte abraço,

    http://planopalavras.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado meu amigo Luis.
      Saiba que estou adorando conhecer o seu blogue, e todas as suas obras. Sim, nada melhor que ficar as vezes no colo de nossas mães.

      Grande abraço
      Dan.

      Excluir
  4. Lindo poema Daniel. Colinho de mãe sabe tão bem em qualquer idade e é sem dúvida um amor incondicional.
    Ainda bem que fui das tuas primeiras seguidoras, porque tens aqui um blogue cheio de poesia e magia.
    Beijos
    Vivi

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde Daniel.. vejo como algo essencial e majestoso..mas sempre fiquei meio distante disso.. se tu cresces retraido sem muito disso na infancia só ficas a sentir vontades depois de grande né.. nossos pais geralmente são muito doces. mas nem sempre podemos dar o que eles esperam de nós.. ou ter o que esperamos deles.. muito bem escrito lindo dia meu amigo até sempre

    ResponderExcluir
  6. Olá Dan.

    Poesia linda, sincera e muito sensível. Mãe, é a personagem dos mais importantes da nossa vida. Merecem todas as palavras bonitas.

    Beijinhos,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com/2013/09/12-passos-para-divulgar-seu-blog-ou.html / E-Book Grátis.

    ResponderExcluir
  7. Tudo muito lindo, mas dificil pra mim, não tive a chance de ter um colo assim quando precisei, então tento ser uma mãe legal...
    Lindo demais!
    Emocionante!
    bjs
    Ritinha

    ResponderExcluir
  8. Olá Daniel, descobri seu blog por acaso e estou adorando, amo uma boa leitura!
    Emocionante texto, concordo plenamente, as vezes tudo que precisamos é de um colo acolhedor.
    SEGUINDO <3
    Beijos

    Blog Angelinnovate

    ResponderExcluir
  9. Eu já perdi a minha mas como não convivi muito acabei adotando outras e vou anexar uma delas.

    INCESTO

    Mãe Terra, Mãe Natureza, apego, necessidade, Complexo de Édipo, dupla (tripla) jornada, frios e cruéis números estatísticos. Leite sempre quente e forte. Quero-quero, sempre quero.
    Ambivalência, onipresença. Dependência, querida e incentivada, e lá estão eles, bezerrão e bezerrinho berrando... maaaaaaaê!
    Sinto medo, mamãe saiu, logo sou ameaçado de morte – paranóia só vista depois de muito esforço – enquanto isso lá está novamente bezerrão mugindo/suplicando: volta mamãe!
    A terapeuta vai embora e já por conta tenho uma longa e perturbadora noite – outro abandono. “Mamãe, a noite é um pavor, fria do teu calor, por favor, venha”. (Caetano Veloso.)
    As noites continuam pavorosas embora o frio esteja com sua sexualidade invertida. Os pesadelos continuam tendo seus tempo e lugar garantidos.
    Nos dois últimos dias tivemos que dividir nossa mãe-mãe com um “enjeitado”. Foi ordenha mecânica, cada um voou na metade dos peitos e o coitado do filho/irmão provisório teve que se contentar com as tetas da televisão.
    Se nem todo pai pode ser o Universo, pelo menos a mãe, a minha mãe, é, no mínimo, a Terra, como queria Maiakovski.
    2007. Maio de muitas flores (e mães), olorosas algumas, nem todas mortas, parafraseando Augusto dos Anjos in Mágoas.
    Stenio, com a colaboração de João Vitor (bezerrinho).

    ResponderExcluir
  10. Oi Daniel,
    Eu não pude vir antes devido a uns problemas que tive no blog, mas aqui estou e como mãe de um garotão de 30 anos, nas suas tristezas quer o meu colo.
    Eu também tive e é tão gostoso pode chorar e a mãe enxugar nossas lágrimas e nos beijar?
    Agora vou dormir. O dia aqui foi bravo.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  11. Assim como vc, Gago, não me faço de rogado. Corro mesmo pro colo de minha mami.

    Beijão, amigo e mande um grande beijo pra sua mamusca.

    ResponderExcluir
  12. É, colo de mãe é algo que ninguém assume, mas todo mundo gosta. E penso o que seria de Jesus não fosse Maria. Belo poema Daniel. Escreva mais, precisamos de mais poesia ;-)

    ResponderExcluir
  13. Sou Mãe e sou Filha....Conheço bem este sentimento! :) Bjos! Tô seguindo aqui também!

    http://diariodabrunet.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Oi André,
    Já passou sua solidão? Mamãe não pode carregar filho a vida inteira no colo. Eu já não tenho mais nada, mas lembranças que tive muito colo.
    Aqui o frio aquietou, vou dormir também
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  15. Olá Daniel,tudo bem??
    Vim conhecer teu cantinho retribui tua visita.
    Volte sempre que quiser em meu blog.
    Que você tenha uma semana de muita paz e alegria ;)
    É claro que não vou embora sem falar nesse poema lindo e tão sincero.
    COLO DE MÃE É TUDO DE BOM!!!
    Na verdade senti seu poema mais como um desabafo, não sei se estou certa, mas me passou essa impressão :D
    beijos boa noite!
    http://estou-crescendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. muita sensibilidade e veracidade além de gratidão.
    felizes os que ainda tem um colo de mãe.
    uma boa semana.
    um beijo

    :)

    ResponderExcluir
  17. Colo de mãe é tudo de bom, nada mais acolhedor.
    Beijos!
    http://coisasdeumaruiva.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Olá, Daniel
    Lindissimo!!!
    Vem pra Roda de Poesia com a gente e o tema inicial é sobre fé...
    Abraços fraternos de paz e bem
    www.poesia-espiritual.com.br

    ResponderExcluir
  19. Até eu que não sou mãe ainda, fiquei emocionada. Você parece ser um filho muito bom e carinhoso com as pessoas em sua volta. Adorei. Sandra.

    ResponderExcluir
  20. Lindo escrito.
    Também admiro a humanidade de Jesus ao querer um colo materno.

    Abraço.

    filhadejose.blogspot.com

    ResponderExcluir