11 de setembro de 2013

Cemitério de gente viva

Caminham em círculos de rotinas
Tropeçam uns nos outros, estão por aí.
Padecem no desgosto de viver
De decepções, optaram por morrer.

Alimentam-se de estrangeirismos
De ideias nas prateleiras pré-fabricadas
Seus corações foram petrificados de preconceitos
Mentes vazias e com o tempo enlatadas.

São máquinas vazias de sentimentos
Faces enferrujadas sem expressão de um sorrir
Zumbis desfalecidos, disfarçados de humanos,
Mastigam capitalismo e não conseguem engolir.

Mais um dia é sepultado pela luz da lua,
Enquanto mais pessoas vão morrendo em vida
Em outros planos, os mortos observam a entrada,
Da enorme fila do cemitério de gente viva.

Daniel André
 


23 comentários:

  1. Bom dia
    Gostei de ler..parabéns
    Beijos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Bom dia André,
    É a ganância que está fazendo o homem morrer vivo
    Saudades
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  3. Pois é!!!
    Uma dificil e dura realidade...
    Muito bem colocado em versos...
    Parabens!
    bjs
    Ritinha

    ResponderExcluir
  4. A mais dura realidade...

    Parabéns Dan

    Dan

    ResponderExcluir
  5. Um impressionante e realista retrato do que como vazia a nossa vida pode ficar, se seguirmos certas visões de cariz pouco humano.

    Muitos parabéns.

    http://planopalavras.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  6. O preconceito, e o egocentrismo, tem matado os seres humanos todos os dias.
    E o que levamos desta vida?
    Simplesmente nada...

    tenha um ótimo dia =)

    ResponderExcluir

  7. Verdade!

    [me sinto uma estranha no ninho]


    abç

    ResponderExcluir
  8. "Mastigam capitalismo e não conseguem engolir."
    Mastigamos por hábito de mastigar, não engolimos porque estamos empaturrados de ter e vazios de ser...
    Gostei muito, texto bom para estimular a reflexão.
    Fico imaginando se a razão de tanta gente se sentir um estranho no ninho, não seja o fato de não sermos naturais desse ninho - capitalismo selvagem.
    Parabéns, André!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Verdade essa poesia. Existem pessoas que se anularam das coísas boas da vida. Parabéns, Lívia.

    ResponderExcluir
  10. Uma poética forte! quando a sociedade se cala para as mazelas que nos acometem o cemitério só ganha outros moradores...
    ótimo dia!

    ResponderExcluir
  11. Muito obrigada pela visita , de fato existe muitas pessoas assim,que perderam o gosto pela vida , e vivem por viver deixando passar o que há de melhor.
    http://blogdonadecasatambemsearruma.blogspot.com.br/
    http://deusguianossospassos.blogspot.com.br/
    http://literalmentelivrosefilmes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Muitíssimo obrigada pela sua visita. Seja bem-vindo no Bordando Palavras. Belíssimo poema crítico. As pessoas estão carecendo de afeto um pelos outros. O egoísmo e o preconceito estão em todas as esquinas. Vivemos na era do TER. Triste realidade, não? Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Boa tarde Daniel.. tema que muito me agrada e tb já falei do mesmo de como as coisas estão ultimamente.. as pessoas estão parecendo mortas vivas vivendo sem noção sem saber o que falaram a 5 minutos atrás tá bem complicada a coisa rsrs lindo dia

    ResponderExcluir
  14. você percebeu , perfeitamente
    o que vejo hoje e não tinha
    palavras para expressar,

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Morremos e nem percebemos naquilo que chamamos de vida

    ResponderExcluir
  16. Olá! Boa noite
    André
    Como vai?
    Belo texto
    ...a zumbificação humana atinge até mesmo setores que nem deveriam fazer parte ,mas, não vou mudar o foco para o mundo dos efeitos e sim das causas. A sociedade capitalista colocou o ter acima do ser, tirando, por vezes, a dignidade humana, a honra, o respeito e o amor, tornando muitos, uns verdadeiros zumbis. Lembrando que a ganância gera miséria, e a miséria poderia ser combatida, se não fosse por essa tamanha ganância... a humanidade correrá o risco de se extinguir, talvez , sem precisar de fatores externos , é só e se o próprio homem, não perceber que emergem apelos de compaixão, de amorização e de identificação com os outros e com o grande Outro...
    Agradecendo a visita e as palavras em meu blog! obrigado!
    Bela semana
    Abraços

    ResponderExcluir
  17. Olá André! Fiquei muito feliz com a tua visita, o teu amável comentário e, principalmente, por teres te tornado seguidor do nosso humilde espaço. Isso somente aumenta a minha responsabilidade de melhorar tudo aquilo que crio e escrevo. Espero que voltes mais vezes, pois será sempre um prazer renovado. Eu, particularmente, aqui voltarei, pois, além de teres um espaço interessante e muito aconchegante, tomei a liberdade de me tornar teu seguidor, isso até quando permitires, é claro.

    Quanto ao post, belo e profundo poema. A fila realmente é muito grande, porém, necessário se faz, fazer por merecer chegar até lá.

    Abraços e uma ótima noite pra ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  18. Sem duvida que o seu poema é um relato mais que fiel. daquilo que eu considero a pior de todas as formas formas de morte que quando a pessoa está sentenciada a uma pena de vida!

    ResponderExcluir
  19. ola boa tarde obrigada pela linda mensagem que deixastes no meu blog...
    lindo mas nostálgico o teu poema
    mas com todo o realismo ...
    tem um excelente fim de semana um abraço

    ResponderExcluir
  20. Parabéns, você realmente escreve divinamente.

    Seria uma honra se você pudesse dar uma olhada no meu recente e singelo blog:

    http://leigopoeta.blogspot.com.br/

    Abraço, Vitor

    ResponderExcluir
  21. Haja zumbis neste plano em que vivemos. Enquanto não houver uma revolução de verdade o cemitério continuará com as portas abertas num eterno enterro. Abraços Daniel!

    ResponderExcluir