14 de março de 2013

Doce amargo


Tenho cefaleia, meu amargo,
e uma bexiga a explodir
suas baldadas investigações
não me permitem refletir.

Eis o problema: Te amo!
Psicoativos brincam de domar
a fera rosnando em meu peito
um manso não pode gritar.

Teu doce é tão azedo...
Posse? Não entendo.
Pedras de apego nos pés
vejo a corrida do tempo.

Ainda existe uma luz, veja!
Fachos distante de clamor
um quebrantado pulsando
Pouco de amor.

Daniel André 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sintonia iluminada

As batidas de meu coração renasceram com seu olhar iluminou todo o corpo pulsando vida, feliz está. Em teus olhos iluminados ...