5 de março de 2013

Saudação setentista



Os passos ficaram perdidos no tempo
Onde a musicalidade era tão poética.
Agradava o nosso imaginário coletivo
Cristalizado em uma só década.

Período da libertação sexual,
Da paz, do amor e rupturas antagônicas.
Dos discos de vinil na estante de sala
E da cartela de fichas na cabine telefônica

A beleza não era o que víamos de fora
Talento era qualidade que vinha de dentro
O homem era magro, com barba e cabeludo.
E as mulheres cheinhas rebolando no centro.

Na televisão, o mundo inteiro era mais inocente.
Laranja mecânica, Vila Sésamo e mulheres de areia.
A noite meias coloridas e as calças boca de sino
E as pistas das discotecas que sempre viviam cheias.

A ditadura que oprimia a inteligência brasileira
E nos obrigava a raciocinar e reagir
Estudantes com garra e justiça no peito
Não deixaram militares os coagir.

O período setentista hoje caiu no refugo
E das coisas boas restaram apenas lembranças
Vivemos numa era onde tudo é artificial
Sem expectativas de melhorias ou mudanças.





Nenhum comentário:

Postar um comentário