14 de outubro de 2013

Laranja da terra



A poeira se acalma com a chuva,

Levantando um aroma campestre,

A água vai lavando a minha aparência

Deixando tudo em tons celeste.

 

Celeste é ver a beleza do campo,

Hortaliças e frutas delicadamente molhadas,

Mãos calejadas vão colhendo alimentos

Com a caminhonete seguem as estradas.

 

Nessas estradas, nesse solo ubertoso,

Moldando o barro, desfazendo a guerra.

Será a terra que escolherei para viver

Como o pé de laranja da terra.

 

Por aqui vou fincando minhas raízes

Desse pé caem flores brancas no chão,

Meu incenso cítrico perfuma o mundo

Nessa terra plana, apenas gratidão.

 

Daniel André

 

A fotografia foi captada pelo meu grande amigo fotógrafo Nil Barros, na cidade de Sumidouro,  interior do Rio de Janeiro