23 de abril de 2013

Alma liberta




Minha alma liberta que busca
Busca tatos e paladares perdidos
Desejos novos sempre desencontrados
Minando os anseios queridos.

Alma que tira de um elegante chapéu
E dele saem flores e outras alegrias
Palavras, gestos e abraços
Recepcionados em todos os dias.

Fechando os olhos a alma dorme
E percorre lugares bem ousados
Liberta, ela atravessa os montes
Descobrindo horizontes passados

A alma vagueia buscando um corpo
Ela esta cansada, surrada, ferida
Somente um amor para flutuar
Devolvendo outra vez, a sua vida

Nenhum comentário:

Postar um comentário