10 de julho de 2013

O Grito




A bomba relógio no meu corpo,
Está em contagem regressiva a explodir
Sentimentos reprimidos, desejos arrancados
Um leão raivoso querendo rugir.


É como um mudo com fome de verbos,
Ou um paralítico que sempre quis correr
Muralhas dificultosas, agora alcançadas
Minha voz vociferante irá ensurdecer


Ouçam o meu grito de indignação
Gritem para o mundo se libertar
Do mal poder, das hipocrisias, preconceitos,
Das pessoas que não te deixam acordar.


Gritem como um trovão para a falta de respeito
Para a ingratidão que te deixa insatisfeito
Mostre a grandeza de suas cordas vocais
Diante de tudo que consideramos banais.

 
Meu grito, nosso grito é de alerta
Até que a rouquidão possa vir a aparecer
Gritarei, lutarei com bravura, sem medo
Deixando todos em minha volta a enlouquecer.


Daniel André