19 de maio de 2013

Refúgio nas montanhas


Levantei, reduzi-me a um orvalho primaveril
Fui buscar nas cordilheiras de um horizonte
O silêncio interior que tanto precisava
E com intrepidez, o ânimo não me faltava.

Escalei com otimismo cada formação rochosa
Olhava para baixo e estremecia nos precipícios
Minha obstinação era de se chegar mais alto
Do topo daquela montanha, do lugar mais frio.

Cada altitude, uma vitória por mim conquistada
E naquele pico, me isolei do restante do mundo
Comecei a construir meu lar, o meu cercado,
O verde me acalma, não me sinto imundo.

Aqui nesse ponto mais alto do planeta
É o refúgio que às vezes preciso vivenciar
Tenho água limpa, ar puro, frutas frescas
E minha turbulenta alma querendo descansar

Com o corpo sadio e alma purificada
Vou descendo do meu pacifico esconderijo
Despeço-me das plantas e entro no matagal
E saio na cidade, um homem novo, rijo.



* A fotografia dessa minha poesia, foi tirada pelo meu amigo, companheiro e fotógrafo Nil Barros. Fica na cidade de Nova Friburgo, região serrana do estado do Rio de Janeiro.

Daniel André.

5 comentários:

  1. Muito bonita. Também tenho a mesma sensação quando faço trilhas em montanhas. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Zaida, eu adoro fazer trilhas tb, principalmente em montanhas. É como rejuvenescer. Grande abraço, Dan.

      Excluir
  2. trilhas, matas, cachoeiras; são coisas que precisamos sempre para dar um banho na alma. linda.

    beijos

    ResponderExcluir
  3. A natureza tem mesmo esse poder de purificação, de penetração na nossa alma, na nossa vida. Suas palavras, cuidadosamente posicionadas, conseguem nos transportar a esse cenário de forma brilhante. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Vc é incrível....Tenho orgulho de ser sua amiga,sua IRMÂ.te Amo.

    ResponderExcluir