9 de dezembro de 2014

Selva de pedras



Nascem rasgando a terra,
Edifícios espelhados de abundância
E luxo do progresso capitalista.

Matam as antigas construções,
Poesia em concreto, desenhos
E flores de nostalgia que encantam
Qualquer saudosista em prantos!

Nascem rasgando a terra,
A globalização, a desumanização
Selvas de pedras, impérios de gloria
Jogos áridos da selva em competição.

Dessas erupções de progresso
Ainda quero andar na Belle Époque
Do antigo Rio de Janeiro à São Paulo
E sentir o suntuoso passado urbanístico. 

Daniel André.
 

12 comentários:

  1. Poema lindo
    Minha nossa realmente, rasgam os céus!!

    Beijos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Boa noite!
    O tempo passa, e a paisagem muda. Tentamos adaptar-nos a ela.
    Somos a paisagem também!

    ResponderExcluir
  3. Eu sou uma privilegiada, Daniel. Vivo numa cidade pacata sem arranha-céus a turvar os meus horizontes, junto ao ao mar. E por mim, se pudesse viveria até no campo. Sinal de progresso, pode ser...não para mim.
    Adorei o teu poema!
    xx

    ResponderExcluir
  4. Muitíssimo verdadeiro os teus versos, Dan? O luxo da modernidade muitas vezes atropela fazendo brotar a saudade das coisas mais simples.
    Gosto tanto de como você se expressa em versos!
    Parabéns, poeta!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Com todos os preblemas q estas selvas trazem e traduzem, meu espírito urbano só sobrevive nelas ... #comofaz?

    ResponderExcluir
  6. Bom dia, Dan.
    Quanta verdade neste teu poema que não somente fala das mudanças na arquitetura, mas com ela, mudou-se também o comportamento himano, que mais parece frio como os concretos dos grandes edifícios, sem a pureza de outrora.
    Grande realidade em versos.
    Que tentemos preservar a área verde de nossos sentimentos em nossas ações.
    Tenha uma semana de paz.
    Beijos na alma.

    http://refugio-origens.blogspot.com.br/2014/12/a-flor-by-patricia-pinna.html

    http://redescobrindoaalma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. oi Daniel

    essa a a realidade das grandes cidades.

    Um lindo dia pra vc =)

    ResponderExcluir
  8. oi Daniel,
    Realmente parece que nos sufoca. Eu tive a sorte
    de viver num interior e vir pra cidade.
    é gritante as diferenças.
    Boa noite
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Meu querido, é o progresso mudando a paisagem e nem sempre para beneficio e conforto da maioria. Estarei dando uma pausa em 2 dos blogs, retornando em janeiro. Um feliz natal e um 2015 repleto de realizações profissionais e pessoais. Grande bj meu rei.... te adorooooo!!!!

    ResponderExcluir
  10. Lindo poema!!!!!
    Nascem rasgando a terra, isso é demais!!!!!!
    Gosto muito de viver no interior, as capitais só para passear, sou mais de viver calma e tranquila pelas ruas!
    bjus
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
  11. Oi Daniel,
    Eu já morei numa metrópole perto perto de São Paulo durante quinze anos, tinha muitos prédios altos, uma linda cidade e foi um sonho que realizei e, foi nessa cidade que encontrei muita solidariedade e amizade do que no interior, onde vivo. Deve saber o porquê.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  12. Preço do progresso!
    :(

    ResponderExcluir