26 de fevereiro de 2012

Estranha Saudade (déjà-vu)

Um déjà-vu de nostalgia
trouxe-me inéditas lembranças
de um rei que nunca fui
prometido desde criança.

Tive uma coroa de ouro
súditos para me bajular
quando entrava em silêncio
bobos da corte para animar.

São flechas direcionadas
raios sensitivos em mim
recordo do cheiro de sândalo
do extenso manto carmim.

Nessa corte medieval
fui por todos amado
acordo com os pombos
numa praça, sentado.

Daniel André

Um comentário: