24 de agosto de 2013

Ao som de Roberto Carlos

  
Cresci admirando as canções do Rei
E delas fui me tornando um romântico
Um onírico solitário que ouve
A poesia exaltada em cânticos!

Nos almoços de final de semana
A vitrola registrava os “Momentos tão bonitos”
Eu viajava “Além do horizonte”,
E meu pai num “Amor antigo”.

No quintal eu era o astronauta”
Mamãe se preparava para um dia de “rotina”
No portão” da noite papai chegava
Quando não parava num “papo de esquina”

Eram “detalhes” tão graciosos e pequenos
Que recordar “outra vez” dói no coração
Nessa poesia eu “desabafo” com os amigos
A minha constante necessidade de atenção.

Já brinquei de ”A guerra dos meninos”
Nadei com as baleias” e fui um negro gato”
Hoje eu desejo é um amor sem limite”
Que ouça comigo as canções de Roberto Carlos.

Por causa dos meus amores da televisão”,
Idealizei uma paixão “cama e mesa para me completar
Uma “proposta” de “doce loucura” que me convidasse
A ver “como as ondas voltam para o mar”.
 
Enquanto o meu coração não aparece
Fico viajando na “paz do seu sorriso”
Namontanha” eu redijo poemas utópicos
Para um amor entrar sem aviso.

Mesmo sendo uma fera ferida”, não sou terrível,
A minha cavalgada” será em direção ao universo
Levarei comigo “a paz” e boas lembranças
E o que é fétido, “que vá tudo pro inferno”

Daniel André.