30 de outubro de 2015

Finitude



É necessário sair de cena,
Apagar as luzes da ribalta, e se
Sentirem a minha falta
Procuram-me na pulsante dor da saudade.

É necessário ser um átomo,
Estar invisível aos olhares medíocres,
Esconder-se nas palavras,
Sumir.

É necessário morrer,
Sentir-se abraçado pelos cravos,
E quando renascer
que meu desalento,
seja evaporado.

Daniel André