30 de outubro de 2015

Finitude



É necessário sair de cena,
Apagar as luzes da ribalta, e se
Sentirem a minha falta
Procuram-me na pulsante dor da saudade.

É necessário ser um átomo,
Estar invisível aos olhares medíocres,
Esconder-se nas palavras,
Sumir.

É necessário morrer,
Sentir-se abraçado pelos cravos,
E quando renascer
que meu desalento,
seja evaporado.

Daniel André

6 comentários:

  1. Bom dia Daniel André
    Lindo de mais!! Parabéns

    Beijo
    Bom sábado

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Oi André,
    Quanto tempo sem notícias tuas, ainda bem que deu "tempo"
    Uma das poesias que mais me emocionou
    Beijos
    Minicontista2

    ResponderExcluir
  3. Ei.
    Saudades desse poeta intenso.
    Deixo-te beijos poéticos.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns!
    No fim das contas, é necessário! O fim é uma reação necessária para a conquista de possibilidades infindas!
    Abraço!

    ResponderExcluir