28 de novembro de 2015

Dois zangões



Dois bravos sem colmeia
Expulsos, e sem ferrão
Unem forças e vivem juntos
Presas de amor, presas de paixão.

Diante da flor mais bela,
Criam o seu próprio reino
Extasiados e não zangados,
O amor é belo, e não é feio.

Nas brisas montanhosas,
E no frescor das flores
Um voo nupcial, dois zangões...
- Polinizam amores.




Milton Nascimento - Paula e Bebeto (Qualquer maneira de amor vale a pena). Abraços meus amigos, fiquem na paz.

Daniel André

24 de novembro de 2015

Igrejinha




Por séculos naquele vale
Habitavam sábios monges
E pessoas simples que cultuavam a paz.

Envolvida no verde silvestre
E no cantar do uirapuru
lá estava a igrejinha, sempre a encantar.

Romarias foram feitas
Batismos celebrados, e
Amores canonizados.

Por séculos naquele vale
A igrejinha decora a fé
E alimenta infinitos sonhos.

Daniel André


E para acompanhar o cenário poético de "Igrejinha", Jesus, alegria dos homens de J.S.Bach. 

4 de novembro de 2015

O prisioneiro




Não é o teu corpo,
onde corre minha língua bífida,
orvalho salgado na pele,
mãos de libido, e
urros de satisfação, que faz de mim
o seu prisioneiro. O que me prende a ti,
está além do sexo, dos dias, dos anos, da vida.
É invisível, mas é bom! 

Daniel André