22 de fevereiro de 2014

Os cabelos do sol



Aquela contorcida árvore
Foi testemunha secular
De casais enamorados
Que passaram naquele lugar.

No primeiro alvor da manhã
Surgiam os cabelos do sol
Envolvendo amantes no banco
Ao som de um lindo rouxinol.

Em teu vigoroso tronco
Rabiscos de diversos corações
Promessas de amor eterno
Aos olhos das quatro estações.

Nesses raios dourados de luz
O galanteio daquela vegetação
Um quasar perdido no horizonte
Irradiando uma suave recordação.

Daniel André.


19 de fevereiro de 2014

Gato assustado


Não fiz o sinal da cruz
Em meu casto coração
Hipnotizado por teus olhos
Encontro a paz na oração.

Do medo, as minhas garras
Afiadas mostrando defesa,
Hoje sou um gato assustado
Escondido debaixo da mesa.

Na intimidade rasgo a terra
E dela surge o teu sorriso,
Será que me desintegrando,
Encontrará o meu abrigo?

Cansei de ficar nos muros,
Suando frio com sua aparição,
Tua alma azul me tranquiliza,
Rendo-me agora, senhora paixão.
Dan André.