20 de maio de 2013

Eu e meu quarto


Acelero para abrir a porta de casa,
Cansado das ruas desordenadas
Diálogos monótonos, pessoas confusas
Desnudo a roupa,
Descanso na almofada.

Um demorado banho quente
O chamar do colchão aconchegante
Não me preocupo com mais nada
Em meu universo,
Sou anormal,
Sou eu mesmo,
Sou deselegante.

Meu quarto,
Paraíso singular infinito
Aqui me entendo,
Encontro-me,
Perco-me,
Leio, escrevo e ninguém me incomoda
Na sonolência,
Embrulho-me nesse cerco.

Daniel André. 

19 de maio de 2013

Recíprocidades do coração



Enternece minha vida com teu sorriso
Abriu uma rua de flores no meu paraíso.

Retira do meu peito o ciúme crasso
Faz-me abençoado com um forte abraço.

Desliza palavras serenas no meu rosto
Hoje somos um substantivo composto.

O medo assombra a minha felicidade de criança
Desatando os nós, você me injeta confiança.

Seu coração lateja e ecoa a cantar
E o meu sem vergonha começa a retumbar.

Pego em suas mãos involuntariamente
Enquanto demonstra carinho, perto de muita gente.

Diante disso tudo, o que poderia te falar?
Que estou te amando, e quero te beijar.

Nessa reciprocidade vamos nos entendendo
Com amor, carinho e respeito, vamos vivendo.

Daniel André.