31 de janeiro de 2012

Unidade na diversidade


O mundo e suas tribos
quadrado em tiranias
no meio a justiça
na inercia dos dias.

São intolerâncias absurdas,
racismos e preconceitos
deuses que não se cruzam
gerando desrespeitos.

Deus é único, é amor:
aprendam filhos de Gaia!
Para as guerras religiosas
eterno coral de vaias!

Melanina não é caráter
gênero vai além do cultural
humanos complicados
codificados num espiral.

A lei maior é o amor
e a prática da bondade
mãos a tolerância
e abraçando a diversidade.

Daniel André

26 de janeiro de 2012

Breve história de um coração doente


Sim, de pernas cruzadas
como todos os meus caminhos
uma lágrima escorre
bebo um cálice de vinho
à tona gotas de sangue
desse frágil coração.

Esse coração foi juvenil
andava de colo em colo
exaltava-se com uma paixão
de todas, tirava uma lição
Mas nunca aprendeu.

Já foi romântico
dedicado e presente
sofreu vandalismos
mas sempre paciente.
Colocava uma pedra
e abria as janelas
Para um novo amor
Vindo de uma caravela.

Hoje
calejado na lassidão
desnorteado em sentimentos
acredita na poesia
e em todo livramento
aberto em ser indulgente.
Eis a breve historia,
de um coração doente.

Daniel André

Feitiço da paixão



Nas grades psíquicas
do seu rosto carrancudo
vi a beleza escondida
leve como o veludo

Fui um sonho perdido
engolido por sua atração
pisei em terras firmes
ou foi tudo uma ilusão ?

Nas suas pequenas mãos
a magia me acolhe
dizem que é veneno
e bebo mais um gole.

Se é doença amar assim
dela quero morrer
só você me conhece bem
a noite ao alvorecer.

Daniel André

12 de janeiro de 2012

Doce amor



Só tenho uma exigência:
de um amor exageradamente
romântico!

Sofro de hipoglicemia
e necessito das melosidades verbais
produzidas na paixão.

Quero todos os mimos
pingados de ganache
e a atenção nos detalhes
dos bonequinhos de glacê
eu e você,
meu doce amor.

Daniel André.

3 de janeiro de 2012

Além das palavras



Era uma muralha silenciosa
que me escudava das más intenções
daqueles amores nocivos
que gangrenava corações.

No garbo de suas palavras,
todo concreto foi derrubado
e um leve ruído foi dito:
eu te amo meu amado!

Foi uma forma gramatical
de expressar todo meu amor
além das fotos e palavras
guardo tudo em meu interior.

Em silêncio nos amamos
desprezamos o alarde
dormimos nas nuvens
e acordamos tarde.

Daniel André

Sintonia iluminada

As batidas de meu coração renasceram com seu olhar iluminou todo o corpo pulsando vida, feliz está. Em teus olhos iluminados ...