26 de janeiro de 2012

A minha doença




Quando olho o seu semblante trancado,
Tento entrar no seu psiquismo pra entender
As suas luas mutáveis me confundem tanto
O que eu devo fazer para compreender você?

Busco nos inúmeros livros de autoajuda,
Um sutil conforto para uma mente criativa
De folhas a capítulos vou descobrindo
Que você é uma doença em minha vida.

Esse teu mundo tão escuro que já pertenço,
Queria ter pinceis e tintas para colorir,
Ate que tento sem sucesso desenhar flores
Nessa caverna estranha que não consigo sorrir.

E na verdade, estou em suas pequenas mãos
A sua magia de se transformar me acolhe
Mesmo que minha vontade não diga nada
Desse seu veneno, quero beber mais um gole.

Você já esta enraizada em minha carne
Faz promessas de mudança, mas não cumpre
De tanto amor, perco o meu verbo
E no final me acabo em ciúmes.

Daniel André.

4 comentários:

  1. Coisa louca esse tal de amor... E dói e é bom e dói de novo e é bom de novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Ju... é como diz um ditado: "Amar é dom... É alegria, é tristeza, é dor sem explicação, é mar turbulento, é noite sem sono. Mais mesmo assim é tudo que desejamos.....”

      Excluir
  2. ai meu amado como doi o amor,como sufoca,como arde la no fundo do nosso coração...Mas é tudo q precisamos um dia msm q nos faça sofrer,chorar...Apesar de tudo sou feliz...EU AMO!!!!!

    ResponderExcluir