26 de janeiro de 2012

Breve história de um coração doente


Sim, de pernas cruzadas
como todos os meus caminhos
uma lágrima escorre
bebo um cálice de vinho
à tona gotas de sangue
desse frágil coração.

Esse coração foi juvenil
andava de colo em colo
exaltava-se com uma paixão
de todas, tirava uma lição
Mas nunca aprendeu.

Já foi romântico
dedicado e presente
sofreu vandalismos
mas sempre paciente.
Colocava uma pedra
e abria as janelas
Para um novo amor
Vindo de uma caravela.

Hoje
calejado na lassidão
desnorteado em sentimentos
acredita na poesia
e em todo livramento
aberto em ser indulgente.
Eis a breve historia,
de um coração doente.

Daniel André