14 de dezembro de 2011

O embrião de nossos sonhos




Vai chegando o cansaço das pálpebras,
O corpo parece querer descansar,
Os movimentos vão ficando lentos
A luz apagada na sala de estar.

A realidade vai se distanciando
O mundo de fantasias começa se aproximar
Fechando os olhos a mente voa,
Vem pessoas nos levando pra andar.

Nos sonhos, não há limites pra se viajar
Dançamos em cima do mar,
Somos reis, bandidos e vitimas
De coisas complexamente submissas.

Podemos voar como as águias,
Ter a sagacidade das serpentes
Transformando-nos feitos loucos
Com coisas ocultas das mentes.

Nos sonhos, eu seria a sua lágrima.
Só pra descobrir o que te aflige,
Cada gota engoliria com cuidado,
Para saber de onde elas existem.

Você poderia ser a minha mente,
Eu seria as batidas de seu coração,
Uma sintonia perfeita de relacionamento,
Entrelaçados em neurônios de paixão.

O que origina os nossos sonhos, medos,
Ou a causa das fantasias de uma ilusão?
Tudo fluiria tão bem em nossas vidas,
Se descobríssemos o inicio desse embrião.

Daniel André.


2 comentários:

  1. A visão que tive neste pensamento foi de um idoso que ja não tem mais forças pra viver e o final ficou esplêndido, que uniu o inicio da vida com o inicio de certos sentimentos! Muito boa... Parabéns

    ResponderExcluir